27 Junho 2022

Video Notícias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8

Erupção Vulcânica: Navio com 408 toneladas de ajuda de Angola chegou hoje às 14:30

  • PDF
Partilhar esta notícia
Actualizado a 03/01/2015, 17:56 São Filipe, 03 Jan (Inforpress) – O navio “Rio M´bridge”, de 54 metros de comprimento, proveniente de Angola com a segunda fase de ajuda (408 toneladas) disponibilizada por este país lusófono, atracou hoje, às 14:30, no porto de Vale dos Cavaleiros, no Fogo. Com nove tripulantes, seis dos quais cabo-verdianos, incluindo o capitão e o contramestre e três angolanos, a viagem demorou 14 dias e, segundo o capitão Mário Gomes, tudo decorreu na tranquilidade apesar de terem enfrentado alguma ondulação de noroeste durante a viagem. Depois de revista das autoridades portuárias e sanitárias de praxe, o capitão avistou-se com o presidente da Câmara Municipal de São Filipe, Luís Pires, e o delegado da Enapor, Artur Santos Cardoso, sem adiantar quaisquer pormenores já que a cerimónia oficial da entrega da ajuda está programada para as 10:00 de segunda-feira com a presença de uma delegação do Ministério das Relações Exteriores de Cabo Verde e da Embaixada de Angola no país. Segundo o capitão, a desova dos contentores de 20 e 40 pés devem processar na segunda-feira, apos a cerimónia oficial para que possam levá-los de volta a Angola, tendo o autarca Luís Pires assegurado que todo o processo para a desova e transporte das ajudas está assegurado para evitar qualquer atraso na saída, prevista para o dia 08 de Janeiro. O capitão de “Rio M´bridge”, Mário Gomes, disse que está previsto mais uma deslocação à ilha do Fogo a partir de Luanda, com mais apoio disponibilizado por Angola à população deslocada de Chã das Caldeiras. Luís Pires aproveitou a ocasião para em nome dos municípios da ilha e da população de Chã das Caldeiras agradecer a disponibilidade da tripulação do navio. Das 408 toneladas de carga fazem parte matérias de construção como cimento, ferragens, madeiras, portas e janelas já confeccionadas e géneros alimentícios que serão colocados nos armazéns da Enapor e ex-EMPA e no centro pós-colheita do Ministério do Desenvolvimento Rural (MDR). JR Inforpress/Fim
Leia ainda - Artigos mais recentes: