17 Julho 2019

Video Notícias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8

Fogo: Cobrador de água de Chã das Caldeiras entrega chaves alegando ameaça de morte por parte da população

  • PDF
Partilhar esta notícia

São Filipe, 05 Mar (Inforpress) – O indivíduo de Chã das Caldeiras contratado pela empresa intermunicipal de águas, Águabrava, para efectuar venda e cobrança de água na comunidade devolveu, esta segunda-feira, as chaves das instalações alegando receber ameaças de morte.

O presidente da Câmara Municipal de Santa Catarina do Fogo, uma das acionistas da empresa Águabrava, Alberto Nunes, disse à Inforpress que dos relatos recebidos constam que o indivíduo entregou as chaves à empresa e deixando o trabalho, por ter recebido ameaças de morte por parte de populares, sem poder pormenorizar.

“Chegou de entregar as chaves e propôs nome de uma pessoa que ele acha ser mais consensual em Chã das Caldeiras, por ter recebido ameaça de morte”, disse Alberto Nunes, indicando que “é uma coisa que as autoridades têm de analisar”, porque, sublinha, a pessoa que vai substitui-lo terá de cumprir algumas regras e as pessoas de Chã terão de respeitar as mesmas, nomeadamente que a água é um bem público e que há uma empresa que gasta na sua produção para coloca-la à disposição da comunidade, por isso as pessoas de Chã devem comparticipar para o custo de produção.

Segundo o edil, não é possível disponibilização da água de forma gratuita e a tarifa de 12 escudos por vasilhame de 25 litros, que a população considera exagerada, é a mesma praticada a nível da região Fogo e Brava e Chã das Caldeiras não pode ser excepção.

Alberto Nunes disse que a esse propósito, a população reivindica duas situações, uma que se prende com a tarifa praticada e que não é possível alterar, outra com a necessidade de se construir mais um posto de venda nas proximidades da Casa Mariza (Escoral) por ficar um pouco distante de Portela, situação que será analisada e resolvida proximamente.

Segundo o autarca, o indivíduo contratado pela Águabrava para a venda de água, apesar de ter um horário estabelecido, muitas vezes não estava no sítio o que poderá ter provocado descontentamento da população.

Esta segunda-feira, 04, a ministra das Infraestruturas e Ordenamento do Território, Eunice Silva efectuou uma visita relâmpago a Chã das Caldeiras para se inteirar do andamento das obras da estrada Cova Tina -Bangaeira e do complexo escolar, cuja primeira fase que está avançada contempla a também a construção de um jardim-de-infância.

JR/FP

Inforpress/Fim

 

Leia ainda - Artigos mais recentes: