19 Março 2019

Video Notícias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8

Fogo: Delegacia de Saúde de São Filipe sensibiliza alcoólicos anónimos para as consequências do uso do álcool

  • PDF
Partilhar esta notícia

São Filipe, 28 Fev (Inforpress) – A delegacia de Saúde de São Filipe realiza semanalmente, às quartas-feiras, a psicoterapia de grupo com os alcoólicos anónimos com a finalidade de os sensibilizar para as consequências do uso do álcool.

A psicóloga do Hospital Regional São Francisco de Assis e da Delegacia de Saúde de São Filipe, Nádia Ramos, disse à Inforpress que o grupo existe desde 2016, antes da sua colocação na ilha, e que depois de um período de paralisação foi retomado em 2017 e desde então funciona de forma regular.

Além de sensibilizar, a psicoterapia de grupo tem outros objectivos, entre eles o de motiva-los para o tratamento e parar de usar e consumir bebidas alcoólicas, já que a mesma causa consequências tanto a nível físico como familiar, profissional e social.

A participação oscila-se entre cinco a 12 pessoas por sessão, e, segundo a psicóloga, tratando-se de um público-alvo dependente de álcool muitas vezes pode ocorrer recaída, mas adianta que as pessoas envolvidas estão motivadas e participam de forma voluntária todas as semanas.

O alcoolismo, explica Nádia Ramos, é uma doença crónica e que não tem cura, indicando por isso que além da psicoterapia é importante que elas tenham acompanhamento psicológico e psiquiátrico, mas também é fundamental o apoio da família e da sociedade.

“É fundamental que a sociedade comece a encarar o problema de alcoolismo como uma doença caracterizada por um consumo excessivo de álcool em que as pessoas perdem o controlo sobre o uso de álcool e a sua vida passa a girar à volta do álcool com consequências a vários níveis de vida”, concretizou a mesma fonte.

Segundo a psicóloga, o grupo que é constituído por indivíduos dos bairros periféricos da cidade de São Filipe e de algumas localidades do interior, funcionando de forma mista (homens e mulheres), observando que o ideal seria ter grupo separado de homens e de mulheres, mas como o número de participantes do sexo feminino é reduzido, apenas três, realiza-se a sessão mista.

Disse ainda que havia um grupo a funcionar nos Mosteiros, mas que de momento não dispõe de informação sobre o seu funcionamento.

Um dos membros do grupo, do sexo feminino, que pediu para não ser identificada, disse a Inforpress que está no grupo com objectivo de superar a dependência do álcool, indicando que passou meses sem consumir bebidas alcoólicas, mas que, recentemente, teve recaída porque, explicou, na sequência da realização de uma analise clínica o colesterol estava acima do nível recomendado e algumas pessoas da comunidade lhe disseram que “vinho é bom” para baixar o nível de colesterol e decidiu experimentar.

A mesma disse que a psicóloga já lhe informou de que nem vinho e nem as demais bebidas alcoólicas “nada têm a ver com colesterol”, daí ter parado o consumo de novo, está a fazer exercício físico “para queimar a gordura”, e já retomou a participação na psicoterapia de grupo.

Na sessão, explicou, apreende-se muito sobre a forma de deixar de consumir álcool e, inclusive, assinalou, permite reduzir o stress.

Por isso aconselha a todas as pessoas com problema do género a participar no tratamento e não esperar quando esteja numa situação complicada e que poderá ser tarde de mais para procurar o tratamento, lembrando que é “melhor prevenir do que remediar”.

JR/AA

Inforpress/Fim

Leia ainda - Artigos mais recentes: