20 Julho 2019

Video Notícias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8

Deputados do PAICV pedem intervenção do Presidente da República na exclusão dos Mosteiros do plano de mitigação da seca

  • PDF
Partilhar esta notícia

Cidade da Praia, 25 Fev (Inforpress) – Os deputados do PAICV (oposição), eleitos pelo círculo eleitoral da ilha do Fogo, pediram hoje uma intervenção do Presidente da República junto do Governo, face à “exclusão” do município dos Mosteiros do plano de mitigação da seca.

Esta informação foi passada hoje à imprensa por Nuias Silva, à saída de uma audiência com Jorge Carlos Fonseca na qual fez-se acompanhar da sua colega Eva Ortet.

“Fizemos essa visita ao Presidente da República para discutirmos alguns assuntos ligados ao processo do desenvolvimento da ilha do Fogo e solicitar, na medida do possível, a diplomacia de influência e uma intervenção do mais alto magistrado da Nação no sentido de apoiar alguns dossiês do processo do desenvolvimento da ilha do Fogo”, informou este deputado do Partido Africano da Independência de Cabo Verde

Segundo o parlamentar, a conversa centrou-se “obviamente” na questão da exclusão dos Mosteiros do plano de mitigação da seca e do mau ano agrícola, oportunidade que tiveram de poder colocar ao Presidente da República “a situação real do ano agrícola” na ilha do Fogo e “mostrar que essa exclusão é prejudicial para o processo de coesão e do reforço das famílias do mundo rural, nomeadamente na obtenção de rendimentos através da produção agrícola”.

É que segundo disse Nuias Silva, “não houve produção agrícola no Fogo que justificasse a exclusão do município dos Mosteiros”, razão por que solicitaram ao Presidente da República que, no seu diálogo com o Governo, “visse se há oportunidade de se poder criar mecanismos de socorrer ou de auxiliar a ilha do Fogo para a mitigação do mau ano agrícola, uma vez que há famílias do mundo rural que estão a sofrer com este problema”.

Conforme realçou, neste quesito o Presidente da República manifestou toda abertura. “Solicitou algumas informações e deixou-nos o compromisso que falará obviamente com o Governo até sexta-feira”, disse o deputado, apelando também ao Governo para que “haja abertura suficiente para se reavaliar a situação” e poder introduzir o município dos Mosteiros no plano de mitigação da seca e do mau ano agrícola.

Além da questão supracitada, Nuias Silva e Eva Ortet tiveram a oportunidade de solicitar ao Presidente da República que veja também para a questão do saneamento na ilha do Fogo, nomeadamente em São Filipe.

“Já na década de 1950 o município tinha um plano para se introduzir redes de esgotos nas zonas baixas do município, estamos em 2019. É um município com características urbanas que não tem uma rede de esgotos para saneamento do meio”, informou o porta-voz, dando conta que pediram ainda a Jorge Carlos Fonseca que, no seu diálogo com o Governo, indagasse se há possibilidade de se mobilizar recursos junto de parceiros externos para que no decurso ainda no corrente ano, ou no exercício orçamental do próximo ano, haja disponibilidade para enquadrar São Filipe num projecto de rede de esgotos.

Nuias Silva disse, por outro lado, que enquanto deputados da Nação, tentarão trazer a ilha Fogo para a agenda, não só do debate parlamentar, mas também trazendo algumas “preocupações concretas” para os “principais decisores”, pedindo-lhes o seu apoio no processo do desenvolvimento da ilha do Fogo com infra-estruturas que são fundamentais para aquela ilha.

“Falamos desta vez da rede de esgotos e dessa questão do plano de mitigação da seca e do mau ano agrícola, teremos outras questões para abordar com outras entidades”, ajuntou citando a questão do aeroporto internacional da ilha do Fogo que, segundo disse, entendem que é fundamental para alavancar todo o processo de desenvolvimento turístico e económico da ilha.

Nuias Silva citou também a questão do cais acostável de Vale dos Cavaleiros e de uma marina da Baía do Corvo.

“Nós iremos tentar dialogar com essas entidades para mostrar-lhes a nossa razão e fazer uma deputação activa em prol do desenvolvimento do Fogo, sem contar muito com as questões político-partidárias, que são do âmbito mais do debate parlamentar”, enfatizou.

GSF/FP

Inforpress/Fim

Leia ainda - Artigos mais recentes: