19 Março 2019

Video Notícias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8

Fogo/Óbito: Antigo jogador, dirigente associativo Daniel Alves faleceu hoje aos 80 anos

  • PDF
Partilhar esta notícia

São Filipe, 09 Fev (Inforpress) – O antigo jogador de futebol, ex-presidente da Associação Regional de Futebol do Fogo e vereador do desporto Daniel Alves, faleceu hoje aos 80 anos, na cidade de São Filipe, ilha do Fogo.

Daniel Alves, que foi também eleito municipal pela lista do PAICV e funcionário aposentado do tribunal de São Filipe, sofreu na sexta-feira um acidente vascular cerebral (AVC) e foi encaminhado para o hospital regional São Francisco de Assis, onde acabou por falecer passado pouco mais de 24 horas depois.

Para o activista cultural e professor, Fausto do Rosário, Daniel Alves é uma referência da ilha do Fogo, qualquer que seja o campo social em que se queira abordar, pois segundo adiantou à Inforpress, “ele foi um desportista, um excelente jogador de futebol, mais do que isso, um atleta exemplar que começou a praticar o futebol ainda nos anos 50 no Vulcânico”.

Depois de cumprir o serviço militar, jogou na Académica do Fogo, depois de se converter ao nazareno (Igreja do Nazareno) passou a jogar na equipa fundada pelo pastor Eudo, onde, segundo Fausto do Rosário, praticamente encerrou a sua carreira como futebolista.

Para Fausto do Rosário, Daniel Alves foi também um homem de referência que em alguns momentos foi árbitro e esteve sempre ligado e apaixonado pelo futebol, tendo nos meados da década de 80 e nos primeiros anos da década de 90, sido presidente da Associação Regional de Futebol do Fogo, sucedendo ao Viriato Santos, em 1988/89, e continuou até meados de 1994/95.

No dizer de Rosário, ele foi um homem sempre disponível, afável, preocupado com o desporto e com propostas, soluções ideias interessantes de como organizar o futebol do Fogo.

“Mais do que um desportista, Daniel é um exemplar chefe de família, um homem conhecido pelo seu rigor, pela sua atitude de respeito e de concórdia com os seus concidadãos, um homem conhecido pela educação que tentou passar e incutir a todos os seus filhos, um funcionário exemplar (tribunal) e depois eleito municipal (vereador e eleito municipal), um homem da sociedade, respeitadíssimo, e quer seja como cidadão, como desportista e homem de família ou educador, importa e deve ser sempre lembrado”, disse Fausto do Rosário.

O antigo presidente da edilidade de São Filipe, Eugénio Veiga, que trabalhou com ele de perto durante um mandato em que ele foi vereador da área do desporto, classificou Daniel Alves como “um companheiro confiável, de firme convicção, que deu contributo positivo, de forma quase voluntaria na edificação e consolidação do edifício municipal”.

Além de vereador ele também foi eleito municipal pela lista do PAICV e segundo o ex-autarca, Daniel Alves foi um “acérrimo defensor” das boas causas e do processo de desenvolvimento desta ilha, particularmente do município de São Filipe.

“Foi um lutador incansável e que sempre colocava interesse colectivo como prioridade e deu valiosa contribuição no sector desportivo, na dinamização de infra-estruturas públicas municipais e igualmente no campo humanitário”, afirmou o ex-autarca e companheiro de Daniel Alves.

O dirigente desportivo, Anatólio Fonseca “Toly” disse que como desportista foi jogador de futebol (Vulcânico e Juventude), tendo jogado até os 38 anos, passando depois para dirigente da equipa de Juventude e, no final da década de 80 e princípios da década de 90 do século passado, a presidir a Associação Regional de Futebol.

Adepto do Futebol Clube do Porto, nazareno praticante, Daniel Alves, nasceu e viveu na cidade de São Filipe, tendo começado como carpinteiro e terminou como funcionário do Ministério da Justiça (tribunal da comarca do Fogo) e foi uma pessoa bem integrada na sociedade, refere Toly, para quem “é mais uma figura pública de São Filipe e da ilha que se despede”.

Outro testemunho registado pela Inforpress em relação a figura de Daniel Alves, foi de Luís Pires, que dele guarda a memória de “um grande activista e dirigente desportivo, um funcionário público exemplar e um colega do executivo camarário que agia sempre com muita responsabilidade, garra e determinação”.

Para Luís Pires, a cidade de São Filipe perde mais uma das suas grandes referências, conclui.

Daniel Alves, é também militante do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), e estava na situação de aposentado e a sua morte repentina apanhou de surpresa a cidade e a sua gente, enlutando o futebol da ilha.

JR/CP

Inforpress/Fim

Leia ainda - Artigos mais recentes: