21 Maio 2019

Video Notícias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8

Quem foi São Filipe?

... Veja o vídeo
Quinta, 02 Maio 2019 12:15

Fogo: Ilha vive momentos difíceis e a população está desesperançada com o futuro – deputados do PAICV

  • PDF
Partilhar esta notícia

São Filipe, 07 Fev (Inforpress) – Os deputados do PAICV (oposição) para o círculo eleitoral do Fogo, Nuías Silva e Eva Ortet, consideraram hoje que a ilha vive momentos difíceis e que a situação socioeconómica das famílias e dos jovens constitui motivo de preocupação.

A constatação foi feita durante uma conferencia de imprensa para o balanço da visita de uma semana que estes deputados do principal partido da oposição efectuaram ao círculo eleitoral, com especial incidência no município de São Filipe.

Afirmaram que nos contactos estabelecidos constataram “as angustias e as desesperanças da população perante uma governação local sofrível e um completo abandono da ilha por parte do Governo central em matéria de investimentos fundamentais para induzir a geração de mais empregos e melhorar a competitividade da ilha”.

Para Nuías Silva, em termos de programação de investimentos estruturais para desenvolver a ilha, a nível do município “há um vazio gritante e apenas o PAICV reivindica esses investimentos” e no âmbito do Governo há a necessidade do cumprimento das promessas eleitorais.

“Se a este nível o vazio é gritante, a nível social a preocupação é alarmante e levanta sérias preocupações”, disse Nuías Silva, notando que no sector de saúde há uma necessidade urgente da reabilitação e de obras profundas da delegacia de saúde (antigo hospital) que está a cair aos pedaços, assim como a questão do saneamento do meio com destaque para a recolha do lixo e deslocalização da lixeira municipal cuja promessa da edilidade era para o fazê-lo no horizonte de quatro a seis meses.

Os dois parlamentares denunciam ainda a “descriminação negativa” da ilha ao ser renegada para condição de não prioritária no programa emergencial de mitigação da seca e do mau ano agrícola e porque o impacto da seca está a ser sentido em todos os municípios da ilha do Fogo.

No domínio da pesca, durante a visita os parlamentares estabeleceram contactos com pescadores de dois importantes portos de desembarque do pescado, Vale dos Cavaleiros e Salinas (São Jorge), zona norte da ilha.

Nuías Silva e Eva Ortet apontam o estado de abandono em que se encontra o cais de pesca do Vale dos Cavaleiros, com “problemas gravíssimos de assoreamento da praia” com consequências para a segurança das embarcações e dos pescadores, mas também o problema de iluminação e de abastecimento de agua potável.

A ausência de uma unidade de produção de gelo, o saneamento do cais de pesca com várias embarcações abandonadas e que transforma a plataforma em “autentica lixeira”, a criação de pequenos espaços para arrumo dos materiais de embarcações são outros problemas identificados.

Já os pescadores que operam no porto de Salinas reclamam a unidade de produção de gelo, apoio do Governo e da câmara para que associação possa edificar um projecto de transformação e conserva de pescado, necessidade de disponibilização de combustíveis na localidade de São Jorge evitando assim a deslocação a São Filipe para o efeito, a falta de fiscalização por parte das autoridades marítimas, mas também a lentidão das obras de requalificação da estancia balnear de Salinas com impacto no arrastadouro e abrigos de botes.

Do rol das preocupações constatas durante a visita, os parlamentares do PAICV apontam ainda a de iluminação pública nos bairros periféricos e no interior, bem como o não avanço do projecto de electrificação rural em várias localidades da zona norte, apelando o Governo a cumprir as promessas para com a ilha.

Os parlamentares sublinham que as promessas devem ser cumpridas e que é preciso que o Governo abandone o “discurso negativista e de bota baixo” e implementar as promessas que, segundo os mesmos, não são poucas como aeroporto internacional, modernização do porto, centro de saúde de raiz para Santa Catarina, conclusão do anel rodoviário, porto de pesca nos Mosteiros e a questão de Chã das Caldeiras.

“O PAICV quer crer que estas questões não ficarão para serem concluídas pelo PAICV, quando retoma a governação em 2021”, disse Nuías Silva.

JR/CP

Inforpress/Fim

Leia ainda - Artigos mais recentes: