20 Maio 2019

Video Notícias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8

Fogo: João de Deus Amado disponível para concorrer às próximas autárquicas em São Filipe

  • PDF
Partilhar esta notícia

São Filipe, 09 Jan (Inforpress) – O professor do Ensino Básico Integrado (EBI) e emigrante há vários anos em Portugal, João de Deus Barbosa Amado, anunciou a sua disponibilidade para se candidatar à presidência da câmara de São Filipe nas eleições de 2020.

João de Deus, que emigrou depois de 17 anos de docência por “razões políticas” e por ter sido crítico do sistema do Ministério de Educação, na altura, vai encabeçar a lista independente “Movimento para Cidadania” , disse à Inforpress que resolveu candidatar-se por “uma causa social” e contribuir para que “todos possam ter voz” na sociedade.

Disse que no “passado longínquo” teve ligações com todos os partidos, que abandonou por ter “ideia e pensamento diferentes”.

Considera ser o único candidato “cem por cento independente”, observando que a sua candidatura não é para prejudicar nenhum dos partidos políticos que venham a concorre à edilidade de São Filipe.

De entre as suas prioridades, João de Deus aponta a justiça social em equidade, estabilidade das finanças do município, tendo em conta os três “és” (economia, eficiência e eficácia), saúde, educação, saneamento básico, residência estudantil, rampas e cadeiras eléctricas para pessoas portadoras de deficiência, requalificação das artérias da cidade, identificação das ruas, de entre outras.

“A minha candidatura é para vencer, vamos fazer algo diferente e inovador no município de São Filipe”, afirmou João de Deus, que esteve na ilha no final do ano, sublinhando que “as pessoas “estão indignadas” com os partidos políticos que classificam como “casas de aranhas”.

“Muitas pessoas me convidaram para apresentar as minhas ideias porque são alternativas”, reforçou.

Questionado se ainda não é cedo para avançar com uma candidatura, João de Deus afirmou que este “é o momento ideal para anunciar a candidatura” e salientou que sempre defendeu causa social e que nesta óptica vai abdicar de todas as regalias, caso for eleito, por entender “que todos são iguais”.

“Há muitos que precisam de medicamento, um tecto, água e energia e, até, de transporte para deslocar em caso de doença, mas não têm enquanto o presidente tem carro e condutor à custa dos mais fragilizados”, disse João de Deus, que deixou garantias de que caso for eleito “só fará uso do carro do Estado fora das horas normais de serviço em caso de calamidade pública em que tem de trabalhar durante a noite”, mas que do resto fará uso da sua viatura própria.

Este lança um repto a possíveis candidatos à edilidade de São Filipe a assinar um pacto semelhante caso pretendam “servir o povo” porque, explicou, “as regalias recebidas são suficientes para “minimizar o sofrimento de muitos” que mal conseguem “um pão de cada dia”.

Para o pretendente à edilidade de São Filipe, a conjuntura actual demonstra que os partidos “não estão em condições de solucionar os problemas dos munícipes” e que os independentes estão melhores posicionados para acudir e resolver os problemas dos cidadãos porque, segundo o mesmo, “nascem junto nas comunidades e não há ninguém que conhece melhor a situação e as soluções que um presidente que sai das comunidades”.

“São Filipe é um município falido, desgovernado e que requer disciplina” é desta forma que caracteriza a situação de São Filipe e que, caso for eleito, vai aplicar os princípios gerais da actividade administrativa, como de legalidade, prossecução do interesse publico e da protecção dos direitos e interesses dos cidadãos, boa administração, igualdade, administração aberta, de entre outros.

Questionado sobre quem vai financiar a sua campanha afirmou que será financiada pelo próprio e que o seu edifício, situado no bairro III Congresso, dispõe de um espaço onde funcionará a sede de campanha.

João de Deus Barbosa Amado é natural de Cisterno, zona centro alto do município de São Filipe, e antes de emigrar para Portugal, onde prosseguiu os seus estudos superiores, foi professor do ensino básico durante 17 anos.

JR/AA

Inforpress/Fim

Leia ainda - Artigos mais recentes: