23 Janeiro 2019

Video Notícias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8

Hidro-Fogo projecto vencedor do Startup Weekend vai apostar na cultura hidropónica para abastecer mercado da ilha

  • PDF
Partilhar esta notícia

São Filipe, 14 Nov (Inforpress) – O projecto Hidro-Fogo, vencedor da última edição do Startup Weekend realizada na ilha do Fogo, entre os dias 09 e 11 de Novembro, vai apostar na cultura hidropónica para abastecer o mercado da ilha.

O projecto vencedor, da autoria de cinco jovens, sendo um agrónomo, um técnico agrícola, uma técnica comercial, um economista-financeiro e um administrativo, vai ser implementado nos próximos tempos e, segundo Dinalina Cardoso, integrante do grupo, numa primeira fase a aposta é na produção de alface e numa segunda fase na produção de morango, salsa, coentro e outras culturas hidropónicas.

Em conversa com a Inforpress, disse que após vencer o concurso Startup Weekend, o projecto vai ser inscrito no Startup Jovem, visando a obtenção do financiamento para a sua implementação, orçado em pouco mais de 700 contos. Mas caso o projecto não for contemplado, o grupo poderá recorrer a financiamento bancário através do programa de Fundo de Apoio ao Desenvolvimento Agrícola (FADA) de uma instituição de crédito.

Como vencedor do Startup Weekend, os promotores receberam prémios e garantia de consultoria e plano de negócios da parte do Instituto de Apoio e Promoção Empresarial (Pro-Empresa).

O projecto será implementado na localidade de Curral Ochô, zona sul da cidade de São Filipe, onde será montado uma estufa de 150 metros quadrados com capacidade para produção mensal de 200 toneladas de alface para abastecer dois eixos do mercado da ilha.

Segundo Dinalina Cardoso, um dos eixos do mercado são os hotéis e restaurantes e o segundo eixo são os revendedores, sendo que o projecto inclui embalagens para distribuição do produto aos dois segmentos de mercado, observando que o principal concorrente será os produtores tradicionais.

No quadro do Startup Weekend, foi realizado uma pesquisa do mercado e, segundo a mesma fonte, não há grande consumo de alface porque não são conhecidos os seus benefícios por um lado e por outro porque é produzido de forma tradicional e há algum receio no seu consumo porque o bicho de alface, assim como o de goiaba, é prejudicial à saúde.

Como a produção é feita no sistema fechado e sem contacto com o solo, mas a partir de água, a probabilidade de apanhar micróbios é quase inexistente, afirmou Dinalina Cardoso, notando que a produção hidropónica tem mais durabilidade, entre quatro a cinco dias, enquanto a produção tradicional dura apenas um dia, o que leva muitas famílias a adquirir pequena quantidade.

A produção é menos onerosa em termos de consumo de água, porque trata-se de um sistema em que há a reutilização da água.

O grupo, caso venha a implementar o projecto antes dos vencedores do Startup Weekend da região norte (Fogo, Praia e Maio), será contemplado com prémios extra para confecção de website e logotipo, dispõe de uma página na rede social facebook onde disponibiliza informações sobre o projecto, assim como sobre os benefícios do alface para a saúde, nesta primeira fase, assim como uma receita semanal com alface.

No Startup Weekend de São Filipe participaram 39 jovens divididos em sete grupos, sendo que os três melhores projectos foram o Hidro-Fogo, outro na área de restauração com possibilidade de entrega ao domicílio e no terceiro lugar o projecto na área gráfica e audiovisual.

Outros projectos foram apresentados como turismo rural ligado à valência cultural, de transformação de frutas, ambos apresentados por jovens da localidade de Ponta Verde, zona norte do município de São Filipe.

JR/ZS

Inforpress/Fim

Leia ainda - Artigos mais recentes: