25 Maio 2019

Video Notícias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8

Ilha do Fogo: Proprietário de hiace acusa edil de Santa Catarina de lhe ter retirado o transporte de alunos por questões políticas

  • PDF
Partilhar esta notícia

São Filipe, 20 Set (Inforpress) – Um proprietário de transporte público de aluguer (hiace) de Estancia Roque, município de Santa Catarina, acusa o edil Alberto Nunes de lhe ter retirado o transporte de alunos por questões político-partidária.

Manuel da Luz Oliveira “Ticho” que há nove anos assegura o transporte de alunos do ensino secundário e de ensino básico entre a localidade de Estancia Roque e a cidade de Cova Figueira nos dois períodos, disse que foi informado no início do ano lectivo de que este ano não seria contratado para garantir o serviço em apreço.

Manuel da Luz avançou ter ficado estupefacto, porquanto, nunca houve quaisquer reclamações por parte dos pais e encarregados de educação, assim nem da própria edilidade, sobre a qualidade de serviço que vem prestando há nove anos.

Explicou, entretanto, que nenhuma explicação o serviço foi entregue a viatura de um emigrante nos Estados Unidos da América “pertencente à mesma cor político-partidária do edil de Santa Catarina, Alberto Nunes”.

O proprietário Manel da Luz, que contactou a Inforpress para denunciar a atitude da edilidade, disse que nunca o edil de Santa Cataria ou qualquer vereador chegaram a reclamar da prestação do seu serviço e por isso estranha a medida adoptada agora de repente de lhe retirarem este serviço, quando, pelo contrário, a câmara devia incentivar os operadores do município.

Contactado pela Inforpress sobre o assunto, o edil Alberto Nunes disse que “se fosse de facto uma medida com base na cor-político-partidária seria tomada assim que assumiu a gestão do município”, tendo esclarecido que a medida foi tomada “a pensar nos alunos e na produção”.

Segundo o autarca, o proprietário em apreço, porque tinha que se deslocar a São Filipe transportava os alunos entre as 06:00 e 06:30 no período de manhã, e entre uma hora e hora e meia antes do início das aulas e no regresso perdiam mais ou menos o mesmo tempo, e que havia muita reclamação a esse propósito.

Disse ainda, que a Câmara “está focada nos interesses dos alunos e não no rendimento de uma pessoa em particular”.

JR/FP

Inforpress/Fim

 

Leia ainda - Artigos mais recentes: