22 Março 2019

Video Notícias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8

Centro Cooperativo aguarda autorização para abrir uma escola privada em Achada São Filipe

  • PDF
Partilhar esta notícia

Cidade da Praia, 18 Set (Inforpress) – O Centro Cooperativo de Formação e Superação Académica e Profissional de Achada São Filipe aguarda autorização da Direcção Nacional de Educação (DNE) para abrir uma escola privada destinada a acolher jovens que estão fora do sistema público.

Segundo o presidente do conselho directivo da cooperativa, Elísio Semedo, ainda no ano passado o Centro Cooperativo tentou abrir essa escola, mas devido a alguns atrasos derivados, sobretudo, da mudança na DNE, não foi possível.

Contudo, este ano, já no mês de Abril, foi enviada toda a documentação a solicitar a autorização, para que em Setembro estivessem criadas todas as condições para iniciar as aulas nesse ano lectivo de 2018/19.

Contudo, adiantou que não tem sido possível obter uma resposta da parte da DNE.

“Enviamos o dossier aguardando uma resposta que ainda não chegou. Estivemos sempre em contacto com a Direcção Nacional Educação e pedimos uma audiência com a senhora directora para explicarmos os propósitos dessa escola, mas não tivemos essa oportunidade e até agora as aulas já iniciaram e nada”, lamentou.

Elísio Semedo disse tratar-se de um projecto social e não uma empresa para ganhar dinheiro, explicando que a ideia é aproveitar as salas do ensino básico, para, no horário pós-laboral, permitir que as pessoas trabalhem e estudem.

Apesar de não ter dados estatísticos, Elísio Semedo adianta que “há muitas pessoas” no bairro de Achada São Filipe que, tendo oportunidade, podem aproveitar para completar os estudos secundários.

“Temos crianças/jovens que perderam o direito de estar no público e nem sequer completaram o 8º ano de escolaridade. Há outras que não conseguirem completar o 10º e 12º, mas que não conseguem, por exemplo sair à noite para frequentar uma escola privada na Fazenda, mas que aqui na zona certamente frequentaria escola”, explicou.

Para além de não ter custos de transportes com deslocações, os alunos terão propinas mais baratas, podendo haver casos de isenção, se a condição familiar assim exigir, para além da questão da segurança.

“Nós consideramos que para as necessidades locais, há que ter respostas locais. Nos queremos ser um parceiro do Ministério da Educação e é neste contexto social que decidimos, dentro do nosso objectivo de ajudar para a inclusão plena, arrancar com esse projecto. Só falta a autorização para abrirmos a escola oficialmente”, adiantou.

Nesta segunda-feira, 17, o Centro Cooperativo enviou uma carta à Directora Nacional de Educação com conhecimento do gabinete da ministra da Educação, Maritza Rosabal, do Inpector-Geral da Educação e do Delegado do Ministério, solicitando uma resposta “quanto antes” ao pedido, a bem dos jovens de Achada São Filipe

Criado há três anos, o Centro Cooperativo de Formação e Superação Académica e Profissional de Achada São Filipe  tem como objecto social geral o desenvolvimento de um ambiente propício para a qualificação do capital social e humanos em Achada São Filipe, para inserção no mercado do trabalho.

MJB/AA

Inforpress/fim

Leia ainda - Artigos mais recentes: