17 Agosto 2018

Video Notícias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8

Ilha do Fogo: Atraso no despacho de materiais e equipamentos adia inauguração Salinas Fogo Resort

  • PDF
Partilhar esta notícia

São Filipe, 10 Mai (Inforpress) –  A inauguração do Salinas Fogo Resort vai ser adiada devido ao facto de os equipamentos e materiais para o acabamento da obra se encontrarem há dois meses na alfândega à espera do despacho.

Um dos co-proprietários deste empreendimento turístico situado na estância balnear de Salinas, zona norte da ilha, Eloy Lopes, disse à Inforpress que está a espera para desalfandegar os equipamentos e materiais de acabamento, indicando que desconhece uma data que poderá ter o despacho pronto, anotando que a inauguração não será mais possível a 18 de Maio, por ocasião das festividades de Salina.

O Salinas Fogo Resort cobre uma área superior a três mil metros quadrados, é constituído por seis bangalos de tipologia A (quarto simples, instalação sanitária e roupeiro integrado) e de tipologia B (quarto duplo, instalação sanitária e roupeiro), um restaurante com mais quatro quartos na parte superior, totalizando 10 quartos, duas piscinas (criança e adulto) e quatro quiosques, e visa promover o turismo de mar e da montanha.

Com o investimento pretende-se valorizar a potencialidade turística existente, melhorar as condições de vida das pessoas, com criação de emprego durante a execução das obras, e funcionamento do empreendimento,  promover o equilíbrio social e defesa do meio ambiente do espaço, criar condições para o reforço da complementaridade de acções ligados a terra e ao mar.

Com este empreendedorismo juvenil, os promotores esperam que venha a ter impacto no desenvolvimento de outras actividades geradoras de rendimento, como artesanato, pesca semi-industrial, modernização da agricultura, fomento de actividades náuticas, elementos favorecedores de criação de emprego, sobretudo no sector da juventude.

Nesta primeira fase, calcula-se que os investimentos rondam os 20 mil contos, mas o complexo turístico terá uma segunda fase,  que se destina a disponibilização de espaços para construção de moradias, superior a 10 mil metros quadrados de terreno, situados nas proximidades da estância balnear de Salinas.

Este empreendimento turístico não põe em causa o projecto de “Ecoturismo na piscina natural de Salinas”, que prevê a requalificação física do acesso ao local, instalação de equipamentos de segurança e de lazer, arrastadouro para os pescadores que utilizam o porto, construção de abrigos de botes, parque de estacionamento e uma esplanada, para conferir a este local o selo de sítio de interesse turístico, valorizando os investimentos neste sector.

JR/AA

Inforpress/Fim

Leia ainda - Artigos mais recentes: