18 Março 2019

Video Notícias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8

Ilha do Fogo: Fundação Donana ministra formações aos voluntários para recolha de alimentos para o Banco Alimentar de Cabo Verde

  • PDF
Partilhar esta notícia

São Filipe, 27 Abr (Inforpress) – A Fundação Donana ministrou hoje na cidade de São Filipe, Fogo, uma formação aos voluntários que vão ajudar na recolha de alimentos para o Banco Alimentar de Cabo Verde, que na ilha tem 150 beneficiários.

Em declarações à Infopress sobre essa iniciativa destinada a duas dezenas de participantes, a presidente da Fundação Donana e do Banco Alimentar de Cabo Verde, Ana Hopffer Almada, explicou que a campanha de recolha de alimentos vai acontecer neste sábado, 28, em 11 estabelecimentos comerciais de São Filipe, pelo que pede às pessoas a se juntarem a esta causa “nobre de solidariedade que é ajudar quem mais precisa”.

Na ilha do Fogo é a terceira vez que se realiza esta iniciativa, já que na ilha a campanha é feita pontualmente, atendendo que a fundação não tem uma “sede organizada” que lhe permita fazer duas campanhas anuais como são feitas na ilha de São Vicente a na Cidade da Praia, mas doravante a organização tenciona fazer regularmente duas campanhas de recolha ao ano.

“Acções de formação fizemos sempre, porque infelizmente não podemos ter sempre os mesmos voluntários. Por exemplo a maior parte dos voluntários são estudantes do último ciclo do liceu que depois prosseguem estudos fora da ilha. Por isso, todas as vezes que temos campanha, teremos que fazer a formação dos voluntários”, disse.

Conforme explicou, os voluntários são recrutados nas organizações que vão beneficiar com a campanha, nomeadamente a Organização das Mulheres de Cabo Verde (OMCV) que é uma parceira e representante do Banco Alimentar de Cabo Verde, no Fogo, a Juventude Franciscana, os escuteiros, entre outras organizações.

“No Fogo temos identificadas 15 instituições e organizações que beneficiam de cestas básicas e cada uma tem dez cestas básicas entregues de dois em dois meses, ou seja, são 150 famílias beneficiárias com cestas básicas razão por que precisamos de recolher alimentos para fazer a entrega”, esclareceu.

Ana Hopffer Almada gostaria que as cestas básicas fossem entregues mensalmente, mas afirmou que não é possível.

Entretanto, informou que a fundação está em contacto com donos das empresas comerciais no sentido de doarem alimentos com prazos de validade ainda em dia, mas que já não vão ser vendidos, por exemplo, os que têm caixas danificadas ou quase a terminar de prazo para poderem ter “grandes quantidades de alimentos em pouco tempo”.

Ao longo dos cinco anos de existência, o Banco Alimentar de Cabo Verde distribuiu bimensalmente, gratuitamente e através de organizações e associações parceiras, cestas básicas para ajudar a dar respostas às carências alimentares do seu público-alvo, que são idosos, acamados, crianças e adultos com deficiência, entre outros.

DR/FP

Inforpress/Fim

 

Leia ainda - Artigos mais recentes: