23 Janeiro 2019

Video Notícias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8

Ilha do Fogo: Agricultores e criadores de gado estão desesperados com a situação reinante – líder do PAICV

  • PDF
Partilhar esta notícia

São Filipe, 23 Abr (Inforpress) – Os agricultores e criadores estão desesperados com a penúria de água e falta de ração na ilha do Fogo e os governos central e local não têm tido capacidade de resposta rápida para ajudar a população, constatou o PAICV.

A constatação foi feita pela presidente do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV – oposição), Janira Hopffer Almada, na sequência de um encontro realizado domingo, na localidade de Patim, com agricultores e criadores de gado da zona sul da ilha do Fogo.

Depois de ouvir as preocupações dos agricultores e criadores, Janira Hopffer Almada disse que a situação “é preocupante e com pessoas a entrarem em desespero”.

Indicou que alguns agricultores já perderam toda a sua cultura e continuam a não ter acesso à água, enquanto criadores estão a perder, diariamente, os seus animais, uns porque não têm rendimento para adquirir ração, e outros porque estão permanentemente a ser vitima dos cães vadios que atacam os seus animais.

Perante o cenário, a líder do PAICV pediu ao Governo para começar a actuar, “de facto”, e a implementar as medidas que respondem as preocupações dos agricultores e criadores de gado.

“O Governo central e câmara municipal têm que ter uma capacidade de resposta mais rápida para ajudar a população”, disse Janira Hopffer Almada, questionando o facto de ainda o Governo não ter “entrado no terreno”, quando está-se a aproximar da campanha agrícola.

Pelas informações repassadas pelos homens do campo, a líder do PAICV disse depreender que a delegação do Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA) no Fogo não existe, a nível de perfurações a ilha está completamente abandonada, com culturas perdidas, por isso exortou o Governo a acelerar o plano que foi desenhado.

Janira Hopffer Almada, na linha da proposta apresentada no ano passado no Parlamento, continua a defender a subsidiação do preço de água para agricultura, a criação de fundo para ajudar as famílias mais vulneráveis, no valor de 150 mil contos, sobretudo para mulheres chefes de família, diferenciar grandes e pequenos criadores e apoiar os pequenos em outras modalidades que não sejam os vales cheques, porque não tem meios para complementar o valor e adquirir a ração.

Para a líder do maior partido da oposição “é preciso que Governo demonstra vontade política”, tendo desafiado ao primeiro-ministro a ir ao Parlamento para explicar como têm sido aplicados os recursos mobilizados e qual o resultado do plano de mitigação do mau ano agrícola.

Problemas de disponibilidade e gestão deficiente da água para agricultura, ausência do delegado do MAA, perdas de culturas e meios para recomeçar as actividades, custo elevado da água, foram as principais dificuldades apontadas pelos agricultores e criadores de gado.

JR/CP

Inforpress/Fim

Leia ainda - Artigos mais recentes: