25 Abril 2018

Video Notícias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8

Ilha do Fogo: Presidente da UCID promete levar preocupações da população de Chã ao Parlamento

  • PDF
Partilhar esta notícia

São Filipe, 12 Abr (Inforpress) – O presidente da União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID, oposição), António Monteiro, prometeu hoje, ao visitar a localidade de Chã das Caldeiras, levar as preocupações da população ao Parlamento e exigir do Governo a resolução das mesmas.

A visita a Chã das Caldeiras era para o líder dos democratas cristãos inteirar-se da realidade das pessoas e ver se as promessas feitas pelo Governo do MpD foram cumpridas ou se estão a ser cumpridas e dialogar com os moradores para ouvir o sentimento das pessoas.

Monteiro prometeu que será “uma correia de transmissão” das preocupações da população de Chã das Caldeiras no Parlamento e “exigir que os problemas sejam resolvidos”.

O líder da UCID disse ter registado “três grandes preocupações” que continuam a afligir a população residente em Chã das Caldeiras, nomeadamente o problema de abastecimento de água, a acessibilidade e a “falta de respeito e diálogo” com a população.

Este disse que se fosse ele a decidir criaria as condições para resolver o mais rapidamente possível o problema de água em Chã das Caldeiras, salientando que se está a falar de um povo que sofreu com a erupção e em que muitas pessoas “perderam quase tudo” e que está a procura de retomar à sua vida, o que sem água será “muito difícil”.

Para o presidente da UCID, a aquisição de dois ou três camiões de água não deverão ultrapassar os 30 a 40 mil contos, estranhando o facto de se ter passado todo esse tempo sem se conseguir ter alguns camiões para abastecer as pessoas que resolveram ficar na Caldeira.

Com relação a acessibilidade, António Monteiro afirmou que não se pode ter um Parque Natural, considerado dos mais importantes de Cabo Verde, sem acesso, anotando que não obstante entende que o país não terá todas as condições financeiros para uma resolução rápida da situação, mas lembrou que houve apoios internacionais e nacionais para ajudar as pessoas, e seria uma questão de usar esses meios, definir as prioridades e ter o acesso em condições.

António Monteiro, depois de ouvir as pessoas, disse que tem faltado “respeito e diálogo” para ouvir as pessoas que têm experiência, para depois, juntamente com os técnicos, encontrar as soluções, sublinhando que se isso for feito as pessoas terão menos problemas e provavelmente Chã das Caldeiras e o Parque Natural terão condições não só para o engrandecimento do país como para fazer as pessoas, que vivem na Caldeira, felizes.

Danilo Fontes informou ao líder da UCID que o regresso da população não foi acompanhado da necessária organização, observando que o objectivo do MpD, partido no poder, “era chegar ao poder” e após conseguir o objectivo “abandonou Chã das Caldeiras e a sua população”.

Este disse que os deputados devem perguntar ao primeiro-ministro o que aconteceu de extraordinário em Chã das Caldeiras, “que a prioridade das prioridades se transformou em nada”, ou se é uma questão de vingança às reivindicações de uma ou outra pessoa, incluindo o próprio, que levou as autoridades a deixar a população a sofrer.

Danilo Fontes disse que os cabo-verdianos não sabem o que se está a passar em Chã das Caldeiras, e com relação a escolha de Bangaeira como área urbanizável e cujo plano foi aprovado a 07 de Abril na sessão extraordinária da Assembleia Municipal, com votos favoráveis dos eleitos do MpD e abstenção do PAICV, este anota que “ é uma zona de maior risco e as pessoas residem lá por causa de afectividade, e que não esperava que o Governo os venha dizer para morar neste espaço”.

Ao responder a solicitação do presidente de UCID de que se for ele (Danilo Fontes) o primeiro-ministro, o que faria, este disse que dialogava com as pessoas e dentro da normalidade implementava as acções, observando que o Governo tem pautado pela “falta de respeito e transparência” na questão de Chã das Caldeiras.

Como exemplo apontou o plano detalhado que segundo o mesmo foi elaborado à distância e por pessoas que “não conhecem” a realidade de Chã.

Esta sexta-feira, último dia da visita, a delegação de UCID tem agendado deslocações ao Centro de Emprego e Formação Profissional, delegação do MAA, antena da Câmara de Comércio de Sotavento, visita aos operadores económicos, além da Câmara Municipal de São Filipe.

JR/AA

Inforpress/Fim

Leia ainda - Artigos mais recentes: