23 Maio 2019

Video Notícias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8

Festival de Café movimenta Mosteiros

  • PDF
Partilhar esta notícia

O concelho dos Mosteiros acolhe, nos dias 23 e 24 de Março, a quinta edição do Festival do Café do Fogo. O certame visa promover e internacionalizar o Café do Fogo, como um dos melhores do mundo. A realização do Festival do Café do Fogo é uma oportunidade de reunir produtores, proprietários, empresários, dirigentes políticos, especialistas, empresas e operários deste sector para momentos de partilha e de contactos.

A pacata Cidade de Igreja vai conhecer, durante os dois dias, uma forte movimentação com o Festival do Café. O Fogo Coffee Fest é uma iniciativa da Câmara Municipal dos Mosteiros, que envolve os produtores locais e associa as outras duas autarquias da ilha - São Filipe e Santa Catarina.

Para esta edição estão previstas várias atividades, como conferências e encontros temáticos, eventos culturais e desportivos. Vai ter convidados nacionais e estrangeiros, com destaque para uma delegação do município de Ansião (Portugal), liderada pelo presidente da Câmara Municipal.

Esta primeira edição coincide com a fase final da colheita do café no Fogo e pretende promover este produto, considerado um dos melhores do mundo, bem como homenagear todos quantos têm contribuído para a afirmação da cafeicultura naquele concelho do Fogo.

"O objectivo deste festival é promover e valorizar o café do Fogo, visando a sua vulgarização a nível internacional. Pretendemos ainda sensibilizar os proprietários, guardadores e apanhadores de café no sentido de renovar e expandir as plantações. Esta promoção do Café do Fogo pode vir a contar com o apoio do programa norte-americano MCA", assegura Câmara dos Mosteiros, através da nota de imprensa.

Conforme a mesma fonte, o Fogo Coffee Fest será ainda um grande palco por onde passará todo o processo de produção do café, desde a plantação, passando pelos trabalhos de pré e pós-colheita, até se chegar ao produto final. O processo culmina com sessões especiais para degustação.

Com uma história que começou no século XIX, o café é originário das terras altas da Etiópia. Conforme a Organização Internacional do Café (OIC), em 2012, a produção de café no mundo atingiu perto de 144,5 milhões de sacas de 60 quilos. Desse total, o Brasil produziu mais de 50,8 milhões, seguido pelo Vietnam (22 milhões), Indonésia (10,9 milhões), e Colômbia (8 milhões). A quantia restante foi produzida por Etiópia, Honduras, Índia, México e outros países.

Café da manhã e Café da Tarde

Como descravem os residentes, são dos momentos mais especiais do Festival do Café do Fogo. O café da manhã e o café da tarde atraem centenas de pessoas para uma refeição com muita tradição no Concelho dos Mosteiros e Fogo em geral.

A bebida é o Café. O acompanhamento é uma variedade de produtos locais como a batanquinha (feita à base de batata doce e farinha de milho), a camoca, o cuscuz (derivados do milho), o queijo, a batata assada, o pão caseiro, a banana “de terra”, o pastel de milho e outras delícias.

Para as fontes deste jornal, o Café da manhã (pequeno almoço) é servido por volta das 8H30 do segundo dia do Festival, logo após a alvorada em que participam dezenas de pessoas, umas vezes vindas das zonas altas até à cidade, outras, vindas das zonas do litoral.

Com este café da manhã reforçado, os festivaleiros partem para um dia repleto de actividades culturais. O Café da Tarde é servido habitualmente na cerimónia de abertura do Festival. Normalmente, depois dos discursos oficiais de abertura e da abertura da feira de artesanato e de produtos agrícolas.

Leia ainda - Artigos mais recentes: