22 Março 2019

Video Notícias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8

Mosteiros: Conjunto Os Tubarões é cabeça de cartaz da quinta edição do festival de café que se realiza nos dias 23 e 24 de Março

  • PDF
Partilhar esta notícia

 

São Filipe, 01 Mar (Inforpress) – O agrupamento musical Os Tubarões é cabeça de cartaz da quinta edição do festival do café do Fogo “Fogo Coffee Fest”, que decorrerá nos dias 23 e 24 de Março, na cidade de Igreja, Mosteiros.

A programação oficial do “Fogo Coffee Fest” foi definida na quarta-feira, 28 de Fevereiro durante a reunião ordinária da edilidade dos Mosteiros, segundo o vereador da Cultura, Domingos Vaz.

Para o primeiro dia do festival, o programa prevê a abertura da feira do café, com a participação dos produtores e de criadores de arte dos municípios de São Filipe, Mosteiros e Santa Catarina do Fogo e amostra de trabalhos de oficina de pintura com técnica do café.

Ainda para o primeiro dia, está programada a realização de uma conferência sobre “agricultura biológica”, que contará com a participação de técnicos do projecto “Fogo, Água, Terra, Ar” (FATA), que tem como finalidade contribuir para desenvolvimento do ecoturismo sustentável e solidário e valorização do património cultural/social/ambiental.

Pelo meio, acontecerá, ainda, a primeira edição da “corrida do café”, além de actividades culturais.

Para o segundo dia do festival, está programado uma alvorada seguido do café de manhã, continuação da feira do café e noite cultural com actuação do agrupamento musical Os Tubarões e outros grupos locais.

Domingos Vaz disse que inicialmente a “corrida de café” estava agendada para as zonas altas, mas que a edilidade decidiu concertar com a Associação Regional de Atletismo para definir o percurso mais adequado, indicando que a introdução desta actividade visa também promover esta modalidade desportiva de que a ilha e o município têm alguma potencialidade.

Na feira, o projecto FATA vai apresentar um painel sobre as suas actividades, além da conferência sobre “agricultura biológica” que deverá contar também com a participação do presidente da Cooperativa Agrícola de Ancião (Portugal), município com o qual Mosteiros pretende estabelecer acordos de geminação e cooperação descentralizada.

O presidente da Cooperativa Agrícola de Ancião integra uma delegação de 10 pessoas, incluindo do presidente da Câmara, que nesta altura estará de visita ao município dos Mosteiros e que participa na quinta edição do “Fogo Coffee Fest”, assim como outros convidados, nomeadamente representantes de algumas Embaixadas acreditadas em Cabo Verde e de organizações não-governamentais.

Questionado sobre o processo de edificação do há muito falado museu do café, Domingos Vaz disse que houve algum contratempo com o dossiê entregue no Ministério da Cultura e que o processo terá de partir do zero, estando a edilidade a trabalhar com o Ministério da Cultura e das Industrias Criativas (MCIC) para a retoma e conclusão desse projecto.

Este responsável disse que durante o festival vão estar expostos na feira alguns espólios relacionados com o cultivo do café no município dos Mosteiros e que depois farão parte do museu de café.

Recorde-se que do programa consta ainda a realização de três concursos, nomeadamente de poesia sobre café do Fogo, destinado aos alunos do quinto e sexto anos de escolaridade, outro sobre a confecção do melhor bolo de café e um terceiro sobre o melhor café confeccionado.

O café é cultivado, principalmente, na área montanhosa e fértil dos Mosteiros, envolto por diversos microclimas e sem presença de produtos químicos (produção orgânica), sobretudo do Morgadio de Monte Queimado, a maior propriedade unificada de produção de café na ilha, premiada, por duas vezes, com a Medalha de Ouro da Exposição Colonial no Porto, em 1934 e Lisboa em 1949, como “o melhor café do império”.

Igualmente, no início do século XX , o café do Fogo foi apresentado na Exposição Universal de Paris, juntamente com a água da nascente de Aguadinha, tendo sido classificado como o melhor café do Império Português, superando em qualidade os cafés de Angola, São Tomé e Príncipe e Timor.

Em 1917 e 1918, o café do Fogo conquistou os primeiros prémios numa exposição agrícola realizada na Cidade da Praia, além de ter tido uma participação na grande exposição da Índia Portuguesa, em 1954.

JR/JMV

Inforpress/Fim

Leia ainda - Artigos mais recentes: