26 Maio 2018

Video Notícias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8

Ilha do Fogo: Artista brasileiro Fernando França expõe mais de duas dezenas de quadros no Centrum Sete Sóis

  • PDF
Partilhar esta notícia

 

São Filipe, 03 Fev (Inforpress) – O Centrum Sete Sóis de São Filipe acolhe entre 02 de Fevereiro e 20 de Março, uma exposição de 23 quadros do artista brasileiro, Fernando França, denominada “encantes amazónicos”.

Na abertura da exposição, que está enquadro no âmbito da programação do Festival Sete Sóis Sete Luas, Marco Abbondanza (director do festival) explicou que embora esse certame musical se realize sempre na última semana de Outubro e primeira de Novembro, de há dois anos a esta parte, com a criação dos Centrum Sete Sóis, passou-se a calendarizar actividades culturais ao longo do ano.

Deste modo, indicou que a exposição em apreço se trata de uma actividade dedicada à “defesa” da diversidade cultural cabo-verdiana.

De acordo com este responsável, em termos de arte contemporânea há vontade de se criar verdadeiros museus com presença de importantes e prestigiados artistas vindos de outros países que integram a rede Sete Sois, comportando já 30 cidades de 10 países diferentes do mundo mediterrâneo e lusófono.

Além da exposição do mestre de nordeste do Brasil, Ceara, Fernando Franca, que esteve no ano passado na ilha onde ministrou um curso de laboratório aos estudantes do liceu de São Filipe.

Entretanto, o Centrum aproveitou este encontro cultural para proporcionar uma sessão de degustação dos sabores da ilha do Fogo, solicitando os préstimos de uma cozinheira que beneficiou de várias acções de formação em vista a tornar mais atractiva e potenciar a beleza de gastronomia da ilha.

O certame contou ainda com a presença de importantes chefes de cozinha, italiano, português e espanhol, com música ao vivo suportado pelo grupo Orkestra Popular Sete Sóis do Fogo, criado no âmbito do festival, e que beneficiou de acções de formação com músicos de diferentes países de rede SSSL.

Na ocasião, Marco Abbondanza disse à Inforpress que o Centrum pretende continuar a desenvolver e colocar São Filipe na rota da rede das cidades Sete Sois, tendo sublinhado que a programação para os cinco novos centros prevê, para cada dois meses, um ciclo de novas exposições.

Assim o Centrum SSSL do Tarrafal de Santiago acolheu entre os dias 31 de Janeiro e 02 de Fevereiro trabalhos do pintor Slimane Drissi de Marrocos e uma exposição do artista Gani Llalloshi de Eslovénia, o da Brava trabalhos do artista e pintor Italiano Mário Madiai que realiza laboratórios de pintura nas escolas e assim como a exposição do artista marroquino Abdelkarim Ouazzani.

Por seu turno, o Centrum da Ribeira Grande de Santo Antão acolheu trabalhos do pintor italiano Mário Madiai e uma exposição do mesmo artista e o do Maio a exposição do artista Slimane Drissi (Marracos).

Para o director do SSSL, a realização dessas iniciativas, exposição dos artistas, assim como encontros nas escolas, é para dinamizar e criar novo público “porque a arte contemporânea não é elitista, mas sim algo que os jovens, estudantes, meninos, que são naturalmente artistas, possam expressar a sua beleza artística nos encontros com outros artistas e encontrar os seus caminhos e ultrapassar as dificuldades”.

Regressando à exposição de Fernando França, intitulada “encantes amazónicos”, ela poderá ser visitada até o dia 20 de Março, todos os dias, excepto aos domingos e dias feriados no Centrum Sete Sois, situado no centro da cidade de São Filipe.

Fernando França é considerado um dos mais criativos e desafiadores artistas da sua geração, estando em constante luta com os exercícios de criação, mostrando-se inquieto diante das possibilidades que a pintura lhe apresenta.

Nesta exposição mergulha na cosmovisão dos povos indígenas do Acre, no Amazónia, tida como uma viagem nas representações de vários povos para explicar a origem.

JR/FP

Inforpress/Fim

 

Leia ainda - Artigos mais recentes: