24 Abril 2018

Video Notícias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8

Com Aristides Pereira país “ganhou visibilidade” internacional e “credibilidade e confiança” – Pedro Pires

  • PDF
Partilhar esta notícia

 

Cidade da Praia, 16 Nov (Inforpress) – O comandante Pedro Pires afirmou hoje, na Cidade da Praia, que com o antigo Presidente da República Aristides Pereira o Estado de Cabo Verde ganhou “visibilidade internacional” e granjeou “confiança e credibilidade”.

Pedro Pires, que discursava na cerimónia de abertura Simpósio Internacional Aristides Pereira, sob o lema “Recordando o homem, edificando a história”, referiu-se ao percurso político daquele que foi o primeiro chefe de Estado cabo-verdiano, recordando-o como um combatente da liberdade e um estadista.

“Aristides Pereira enquanto Presidente da República encabeçou a liderança de um Estado arquipelágico, pequeno, pobre e descapitalizado e ainda desconhecido. Coube-lhe a missão de activar o processo que devia conduzir à sua viabilização, credibilização e apresentação internacional”, disse.

Segundo Pedro Pires, nesse aspecto Aristides Pereira soube “aproveitar e valorizar” o património legado por Amílcar Cabral, um “exemplo de liderança inteligente e conceituada” de uma luta de libertação “vitoriosa e internacionalmente prestigiada”.

“Com Aristides Pereira na Presidência o Estado de Cabo Verde ganhou imagem internacional interna de um país credível, confiável, empenhado no seu desenvolvimento e comprometido com a defesa das causas públicas internacionais, porquanto adoptou um discurso político consistente e ponderado”, recordou.

Por outro lado, frisou, de um “empenhamento perspicaz” em prol do desenvolvimento e bem-estar dos cabo-verdianos, o presidente Aristides Pereira ganhou “estima, respeito e a confiança” das instituições internacionais, ao mesmo tempo que reforçava a confiança e a amizade dos seus antigos companheiros de luta.

No âmbito africano, Pedro Pires recordou que o falecido Aristides Pereira levou Cabo Verde a África e trouxe África a Cabo Verde

“Quer pelo número de chefes de Estado que visitaram o nosso país e quer pelas suas visitas que realizou a diversos Estados do continente, foi deste modo que o Presidente da República e o Governo cabo-verdiano granjearam confiança e a credibilidade que permitiram que estivessem implicados enquanto facilitadores em momentos e processos de procura de soluções negociáveis em conflitos no continente africano”, anotou

Pedro Pires, que é presidente da Fundação Amílcar Cabral, uma das organizadoras do evento, explicou que a realização desse simpósio internacional Aristides Pereira visa em primeiro lugar o reconhecimento e a homenagem da figura do primeiro Presidente da República de Cabo Verde associado a outros propósitos complementares, nomeadamente a descoberta do homem, do combatente da liberdade e do estadista.

A cerimónia de abertura foi presidida pelo chefe de Estado, Jorge Carlos Fonseca, que recordou Aristides Pereira como o primeiro Presidente da República de Cabo Verde e a sua postura no momento da abertura política.

Durante a cerimónia discursaram também Carlos Pereira, que representou a família do falecido presidente, e Francisca Pereira, que integrou a comissão de honra.

O evento conta com o representante do Presidente do Senegal, Macky Sall, a presidente da Fundação Agostinho Neto de Angola, Eugénia Neto, antigos combatentes da Guiné-Bissau, bem como delegações do Partido Africano de Independência da Guine e Cabo Verde (PAIGC) e do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA).

Durante esses três dias, convidados, adicionando ainda professores, estudantes universitários, investigadores, estudiosos e curiosos, vão debruçar-se sobre a luta pela independência do país e da criação das condições necessárias para a afirmação do Estado soberano de Cabo Verde e o papel fulcral que Aristides Pereira terá tido em todo esse processo.

Para além de conferências proferidas por cientistas e investigadores nacionais e estrangeiros, prevê-se uma exposição sobre o percurso de Aristides Pereira, na Biblioteca Nacional.

MJB/AA

Inforpress/fim

Gostar disto:

GostoCarregando...

Relacionado
Leia ainda - Artigos mais recentes: