21 Julho 2019

Video Notícias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8

Ilha do Fogo tem óptimas condições para atrair mais turistas e um papel preponderante no desenvolvimento do turismo – Manuel Ribeiro

  • PDF
Partilhar esta notícia

 

São Filipe, 14 Out (Inforpress) – A ilha do Fogo tem óptimas condições não só para atrair mais turistas mas também ter um papel “mais preponderante” no processo de desenvolvimento do turismo em Cabo Verde, disse o director do Fundo Nacional do Turismo, Manuel Ribeiro.

Este que participou sexta-feira no encerramento do curso operacional de animação e guias de montanha promovido pela Escola de Hotelaria e Turismo de Cabo Verde (EHTCV), defendeu que num sector “tão importante” para o desenvolvimento não só da ilha do Fogo e Chã das Caldeiras como de Cabo Verde, que é o turismo, é necessário continuar a aprender todos os dias, por se tratar de um sector transversal, com vários autores.

“Chã das Caldeiras é a zona com melhores condições para o turismo em Cabo Verde, sobretudo do turismo de natureza, porque um dos elementos “importantes” na promoção do país é o vulcão do Fogo”, advogou o director do Fundo Nacional de Turismo, para quem na estratégia para o aumento do número de visitantes “é fundamental apostar na qualidade”.

Os guias, afirmou Manuel Ribeiro, tem um “papel fundamental” porque lidam com os turistas no dia-a-dia, observando que o importante é que cada visitante poderá contribuir para multiplicar o número de turistas que visitam o país, já que este, o turismo, tem um contributo “muito importante” no PIB.

Por outro lado defendeu que o Fogo é uma ilha que merece ser mais conhecida pelos cabo-verdianos, o que significa que é um destino, que nos próximos anos será muito procurado pelos residentes no país, sublinhando que a associação dos guias deve ser a voz da ilha do Fogo e do trabalho deles vai depender o incremento do turismo.

Para o gestor do Fundo Nacional do Turismo, nos próximos quatro anos a ilha do Fogo vai receber 107 mil contos para investimento neste sector através das três câmaras municipais, mas isto não impede a sua instituição de, havendo projectos pontuais, financiar directamente a associação de guias, desde que esteja organizada e cumprindo as exigências, mas também apoiar na componente formativa e pequenos projectos em parceria com a Escola de Hotelaria e Turismo e outros parceiros.

Manuel Ribeiro apelou aos guias para a melhoria da qualidade do destino e dos produtos, incentivando-os a passar da potencialidade para o produto que se quer para a ilha do Fogo e para Chã das Caldeiras.

JR/ZS

Inforpress/Fim

Leia ainda - Artigos mais recentes: