21 Outubro 2017

Video Notícias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8

Ilha do Fogo: DGTT já integra mesa do diálogo do projecto de turismo sustentável FATA

  • PDF
Partilhar esta notícia

 

São Filipe, 09 Ago (Inforpress) – A Direcção-Geral do Turismo e Transportes (DGTT) passa a integrar a mesa do diálogo do projecto de desenvolvimento do ecoturismo sustentável e solidário e valorização do património cultural/social/ambiental, “Fogo, Água, Terra, Ar” (FATA), juntamente com outros parceiros locais.

A assinatura do memorando entre a mesa do diálogo do projecto FATA e os parceiros, ocorreu esta quarta-feira, 09, na cidade de Igreja (ilha do Fogo), no quadro da realização da sexta mesa de diálogo, que constitui uma ferramenta para análise/discussão da problemática ligado ao sector e a sua multiplicação junto dos demais operadores turísticos que não fazem parte da mesa.

Carla Cossu, da Organização Não-Governamental Italiana, COSPE, responsável pela execução do projecto, disse que a Direcção-Geral do Turismo e Transportes além de integrar a mesa de diálogo fica associada ao projecto “Rotas do Fogo”, também ligado ao sector turístico, cuja acção de terreno inicia a partir de Setembro e tem a duração de dois anos e meio.

Segundo a mesma, quer a integração no projecto FATA como no das Rotas do Fogo visa reforçar a parceria de modo a conseguir implementar actividades em conjunto, observando que a mesa de diálogo tem a missão de compartilhar e implementar o plano de forma participado e que é sempre útil ter a DGTT como parceira.

A mesa de diálogo é um espaço onde se debate diferentes assuntos, mas constitui também um meio para divulgação dos assuntos, porque, segundo Carla Cossu, não se pode ter uma mesa com todos os operadores e há necessidade de posteriormente informar os que não podem participar.

A implementação do projecto vai ao meio e a responsável disse à Inforpress que o resultado esperado está a começar a ser visto, sublinhando que a próxima actividade vai ser o plano de desenvolvimento turístico e o plano de comercialização, e que o projecto está à espera que a DGTT elabore o seu plano de desenvolvimento turístico a nível nacional para ajudar a orientar melhor na laboração dos planos locais.

Carla Cossu, disse ainda, que os módulos formativos previstos foram concluídos e neste momento está-se a equacionar a possibilidade de se realizar mais uma formação, na área de realização de eventos, tendo em conta que dos inquéritos realizados junto dos turistas, uma das fraquezas constatadas é a falta de eventos locais, razão pela qual se pretende organizar esta acção que sirva às instituições, mas também os operadores turísticos para que a ilha possa dispor de eventos durante o ano.

Outro resultado do projecto e que constava do objectivo inicial é o estabelecimento de sinergias de forma que os operadores turísticos comecem a trabalhar mais em conjunto para o desenvolvimento do sector turístico.

Além da exposição da Direcção-Geral do Turismo e Transportes (DGTT) e da assinatura do memorando, a sexta mesa serviu para dar a conhecer as actividades realizadas desde a última sessão e a apresentação de formação em marketing que se realizou no mês de Julho, nos sectores hoteleiro e restauração.

A nível de serviço hoteleiro e restauração, os formandos consideram que existem oportunidades como a localização, paisagem, disponibilidade de produtos locais, segurança, história e cultura, de entre outros, mas em contrapartida indicam várias ameaças ou pontos fracos como sejam falta de pessoal qualificado e de profissionalismo, problemas na ligação com as outras ilhas (transporte deficitário), deficiência do serviço de saúde, preço elevado (transporte e alojamento).

O projecto é cofinanciado pela União Europeia, em parceria com outros promotores, como a região italiana de Veneto, a edilidade dos Mosteiros, a ONG Italiana Cospe, Associação de Guias Turísticos de Chã das Caldeiras, Parque Natural do Fogo e Planete Viaje, e conta com um orçamento de 576 mil euros (mais de 63 mil contos cabo-verdianos), dos quais a União Europeia entra com 75 por cento (%) (mais de 432 mil euros) e os promotores em conjunto com 25%.

JR/FP

Inforpress/Fim

 

 

 

 

Leia ainda - Artigos mais recentes: